• Home
  • /Wellington França

Wellington França

Sobre o idealizador da marca Taidokan

Wellington de Moraes França

Wellington de Moraes França, nasceu em 1957 na capital do estado da Paraíba, João Pessoa. Radicou-se com sua mãe no Rio de Janeiro aos dois anos de idade. Com quinze, adquire noções de artes marciais com mediação de um instrutor de lutas e acompanhamento do Mestre de Jiu-jítsu, Oswaldo Fadda. Aprende xadrez e produz seus primeiro poemas. Aos 17 matricula-se na Escola de Teatro Martins Pena e aos 20 inicia a prática do karate Shotokan, com Sensei Antonio Paiva.  Aperfeiçoa, amplia e aprofunda seus conhecimentos com a ajuda do Sensei Chagas, e junto aos mestres: Naoyuki Hirakawa, Teruo Furusho Shigame Kohara e Alcione Soares.

Professor de karate na Cidade de Deus desde 1982. Em 1984 recebe Moção Honrosa da Câmara Municipal do Rio de Janeiro por relevantes serviços prestados à comunidade como educador.

12310003_1178399722187346_2671836743611445611_o

Em 1987, aprovado faixa preta, funda com seus alunos o TAIDOKAN. Em 1989 gradua-se pela FIJ em Ciências Administrativas. Em 2010 é aprovado – 5° DAN pela FKERJ – Federação de Karate do Estado do Rio de Janeiro.

Em 2012 participa do Curso de Extensão da Faculdade de Letras da UFRJ de Produção Cultural.

Mais de 30 anos de experiencia no Terceiro Setor e militância literária. Fundador do Sarau Poesia de Esquina.

Dois livros publicados e um terceiro ainda inédito.

TEMPORAIS – 2010 – CBJE
e Coletânea 43 novos autores – FLUPPENSA – 2012 – Aeroplano e
ABISMO – no prelo.

Contemplado com o premio Carolina de Jesus – FLUP 2016.

Graduado 6º DAN pela CBK – Confederação Brasileira de Karate.

Trabalha no setor de Monitoria no DETRAN RJ na validação de processos para arquivos.

Ocupa atualmente o cargo de Conselheiro Fiscal da Casa de Cultura Cidade de Deus e na Agencia Local de Desenvolvimento Comunitário da Cidade de Deus – Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Logo Taidokan

O símbolo do guerreiro diante do grande tigre ostenta faixa branca.
A mais importante por representar a pureza e a gênese da criação e do aprender.

O vento ultrapassando as folhas do pinheiro emite sonoras vibrações.
Inspiradoras ondas de energia. Em espirais evoluem dos mares às montanhas,
revigorando com força vital os povos da Terra.